fbpx

Contratação no setor de construção civil pode voltar em 2018

Índice da construção civil tem alta de 0,27% em setembro, aponta IBGE
outubro 6, 2017
Startup cria programa que calcula o quanto você vai gastar em uma obra
novembro 23, 2017
Exibir Tudo

Contratação no setor de construção civil pode voltar em 2018

CBIC espera resultado positivo já no início do ano, mas o Sinduscon-SP é mais cauteloso, em função da base menor de comparação. Em três anos, o setor encerrou mais de 1 milhão de vagas

%image_alt%

São Paulo – Depois de perder mais de um milhão de postos de trabalho, o mercado da construção civil pode começar a apresentar saldos positivos consistentes no indicador de emprego em 2018, mesmo que de forma tímida. Especialistas, contudo, divergem sobre o momento em que isso deve acontecer.

“Ainda não vemos um cenário de recuperação, mas as recentes sondagens da indústria da construção mostram perspectivas positivas para 2018 [de nível de atividade e emprego]”, explica o assessor econômico da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Luis Fernando de Melo Mendes.

Segundo o economista, no acumulado de 2017 o saldo de empregos ainda deve apresentar um resultado negativo, contudo, com as expectativas melhores é possível que o setor já comece a apresentar saldos de contratações positivos no primeiro trimestre de 2018. “Mesmo que existam incertezas políticas e econômicas, as sondagens mostram que o empresário já espera por uma melhora em curto prazo”, diz.

Somado a isso, Mendes ressalta que com a melhora das projeções de inflação, taxa de juros e renda, os financiamentos imobiliários para imóveis de médio e alto padrão devem voltar a ficar atraentes tanto para quem quer trocar de imóvel quanto investidores.

A retomada

Já na opinião do presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), José Romeu Ferraz Neto, ainda é cedo para comemorar se levarmos em consideração a base de comparação. “Podemos começar a ver saldo positivo, mas [na crise] perdemos um terço da mão de obra direta, então deverão ser níveis muito baixos”, aponta o executivo. No total, o setor perdeu mais de um milhão de vagas desde outubro de 2014, quando possuia 3,522 milhões de empregados. Em julho deste ano, a construção totalizou 2,458 milhões.

De acordo com ele, no período de seis meses a um ano, é possível que o setor ainda deva apresentar demissões pontuais. “Não da forma acentuada como tínhamos visto, mas haverá casos. Lamentavelmente ainda deveremos conviver com isso”, afirma.

Na opinião do executivo, é provável que uma retomada mais significativa do emprego fique mais para o final de 2018, se ocorrer. “Já vemos sinais [de melhora econômica] de forma lenta e isso ajuda o mercado imobiliário tanto comercial quanto residencial, mas acho que isso vai se sentir no médio prazo. No curto prazo a expectativa ainda é ruim”, destaca.

Segundo Ferraz, o segmento de infraestrutura deve provocar um aumento robusto nas contratações, contudo, a expectativa dele é que o impacto seja sentido no longo prazo. “Se houver, o setor da construção cresce muito rápido, até pela defasagem que o País tem, mas as concessões e PPPs devem ser sustentados por investimento estrangeiro, mas esse recurso só vem quando tivermos estabilidade política”, diz.

De acordo com o SindusCon-SP, pela primeira vez depois de 33 meses de queda consecutivas, o nível de emprego na construção civil brasileira voltou a subir. Em julho, houve alta de 0,07% na comparação com junho.

Desafio

Apesar de um prognóstico mais positivo, Mendes, do CBIC, aponta um fator deixa nebulosa a projeção: a aprovação do projeto de lei que permite o saque do FGTS para amortização ou quitação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). “Como a única saída que sobrou é o FGTS, se tirar pode desestruturar a construção”, explica o assessor.

 

Vivian Ito

Fonte: DCI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *